segunda-feira, 6 de setembro de 2010

DONA SOLANGE ESTÁ DE VOLTA, PIOR DO QUE NUNCA

Disse e repito: a propaganda eleitoral gratuíta é uma das piores pragas da democracia brasileira. Leva os eleitores a escolherem candidatos como quem opta entre uma marca e outra de sabão em pó.

Se já não bastasse a falsidade intrínseca das imagens que os marqueteiros impingem dos candidatos e da situação nacional, ainda existe uma burocracia tacanha a exercer a mais grotesca censura que este país presencia desde a ditadura militar.

A última das Donas Solanges (*) do Tribunal Superior Eleitoral foi vetar um vídeo em que a coligação demotucana criticava o apoio de Fernando Collor a Dilma Rousseff.

Ora, trata-se mesmo um  calcanhar de Aquiles  da Dilma e os adversários têm todo direito de jogar-lhe na cara que Collor não é companheiro de jornada aceitável para quem, nos  anos de chumbo, confrontou bravamente os cães de guarda do coronelismo político.

O pior de tudo foi o pretexto ridículo para impedirem que haja, enfim, algum debate político na propaganda gratuita: o de que a lei eleitoral, verdadeiro monstro de Frankenstein, veda "a utilização de gravações externas na veiculação de inserções".

Se a coligação governista reagisse exibindo as truculências da tropa de choque da PM no campus da USP durante o governo de Serra, provavelmente os advogados tucanos também descobririam qualquer pêlo em ovo para requisitarem os préstimos dos neocensores.

Assim, graças aos que criam leis com aberrante viés autoritário e aos que as aplicam obtusamente, estamos assistindo a eleições despolitizadas, desmobilizadoras, deseducadoras e tediosas ao extremo.

São as   eleições Tiririca, que rimam com titica.

* Solange Teixeira Hernandes, diretora do Departamento de Censura Federal no período1980/84, tornou-se símbolo dos censores do regime militar.

Nenhum comentário: