sábado, 30 de janeiro de 2010

O Jornalista Lungaretti, Honduras, Anistia Internacional e a CIA

Fazendo um resgate cronológico do debate coloco os links abaixo para apreciação de todos:

http://juntosomos- fortes.blogspot. com/2010/ 01/dissecando- o-primarismo- politico. html Ultima treplica de Lungaretti ao artigo que postei aqui:
http://juntosomos- fortes.blogspot. com/2010/ 01/demagogia- fantasiada- de-revolucionari a.html

E que parece ter sido o motivo de antagonismo do Lungarzo e do Lungaretti a Rede, aos grupos revolucionários e aos "novos" militantes pretensiosos de espaço dentre os revolucionários de Esquerda.

Numa mistura de conceitos e de ideais, para mim a justificativa e tréplicas saíram ainda mais clara aos que acompanham o debate e a luta virtual travada por maior ONG de DH do Mundo e Lungaretti, com a rede social e a ideía que coloquei explicita no artigo
http://juntosomos- fortes.blogspot. com/2010/ 01/demagogia- fantasiada- de-revolucionari a.html


De minha parte afirmo cada palavra que coloquei nesse artigo e questiono o que é de fato ser revolucionário e humanista. Para ser vanguarda de humanismo precisamos ser coniventes com o que prega a AI? Ou ser coniventes com a omissão da ONU no caso relativo a Honduras e aos golpes, violações e crimes lesa humanidade?

Sim, sou uma militante de DH, sem pretensões de ser maior, pois sou ciente que nessa luta o que importa é o todo e a junção de forças desse todo. Aprendi isso no útero, na infância, na adolescência e em toda a trajetória de vida adulta, nas diversas batalhas travadas em prol dos DH . Citá-las aqui seria travar uma disputa de quem é melhor. Não vem ao caso isso em nada vai alterar ou corroborar com os ideais de luta.

De qq maneira o que me impressiona foi a contra argumentação vazia e irada, onde ambos relevam a importância de resistir e lutar. Citam Marx e esquecem do "OUSAR LUTAR, OUSAR VENCER" e tb. esquecem do "navegar é preciso, Viver não".

Celso, ao contra argumentar: "Simplesmente porque não consigo suportar a idéia de que um jovem tentado a fazer algo para melhorar o mundo, ao considerar a opção revolucionária, o faça a partir de modelos tão reducionistas, atrabiliários e pouco inspiradores como os de Hugo Chávez e Mahmoud Ahmadinejad. " esquece o verdadeiro motivo que o leva a sair em retaliação:

Penso que o verdadeiro motivo, implícito na defesa de Lungarzo e na de Celso, são as colocações que fiz aqui:
Então, Não existe camarada, humanista, militante ingênuo nessa luta. Quem deu a "maior ONG de DH do Mundo" ( eita papo capitalista, tenho 41 anos e nunca vi camaradas classificar um ou outro quanto à cor, sexo, grau de importância ,,,,)o direito de se pronunciar sem considerar a resistência e os movimentos de DH ( o resto ao que parece para a tal maior ONG de dh) em Honduras?
Apoio o escrito por Castor, alias , mantenho o que escrevi
Não reconheci ontem um revolucionário/ camarada em parte alguma do artigo. E Olha que nasci da barriga de uma revolucionaria. Guerrilheira do Caparaó. Uma mulher que grávida, perdeu a filha , por decorrência da tortura. MAS NÃO ENTREGOU SEUS PARES.Mesmo grávida e sob tortura “.

Sei lá, alguma coisa me diz que: O revolucionário de ontem, o KID do Grupo Lamarca, e esse humanista da nova era, defensor de "pacificação" de uma luta justa e valida contra a ditadura instalada em Honduras e que ameaça diversos países de Nuestra America, quer desqualificar qq "jovem tentado a fazer algo para mudar o mundo"... defendido por Lungarzo, que claramente é contra qq grupo de resistência: “Como se faz, então, para aliviar a condição dos Direitos Humanos? É a política de “Tudo ou Nada” e “Quanto Pior Melhor” dos Tupamaros, dos Montoneros, do ERP da Argentina e do MIR do Chile? Devemos entrar com nossas tropas no coração das prisões hondurenhas para que o sistema tenha mais mortos e possamos nos gabarmos de sermos vítimas do inimigo?”

Eita papo descabelado, de direita, de caserna mesmo, papo semelhante aos mantidos pelos “defensores do estado democrático de direito”. Nem vc. e em ninguém é obrigado a gostar de estilos de Chávez, de Fidel, de Lula, como sei que vc. não gosta e vc. sabe que eu gosto. Mas ...um revolucionário é obrigado a entender que o momento em que vivemos é um momento de junção de forças nessa luta.

Te digo Celso, mais uma vez e quantas forem preciso: Tenho exatos 41 anos de idade ( completo-os hoje: 29/01), mas como falei, Nasci de uma barriga revolucionária, que 10 meses antes de meu nascimento, havia perdido a que seria a sua primeira filha, pq. no dia 01 de abril de 1968, aos seis meses de gravidez, foi presa e torturada MAS NAO ENTREGOU SEUS PARES.
Cresci vendo e participando da luta de resistentes, hora escondendo amigos, hora assistindo aos internos de manicômio, hora em manifestações, hora em defesa/palestras a de excluídos hora reunindo para formar a CEBs, o PT, a CUT... E depois crescida, adulta uma militante aprendiz, nem melhor e nem pior aos resistentes antigos com uma trajetória maior que a minha. Em momento algum me deparei com "revolucionários" que tentavam me ensinar esse lado "importante" da revolução que vc. quer defender . Ao contrário, vivi e vivo ao lado de companheiros que pregam exatamente o contrário.

Enfim, novamente coloco em questão o "debate" as palavras de Celso e Lungarzo a favor de uma nova concepção "revolucionária" e os fatos colocados por Castor mantendo TODOS os fatos que coloco em todas as réplicas que fiz debatendo não, lutando contra essa novo conceito "revolucionário" .

HONDURAS RESISTE. E A LUTA CONTINUA. Qual o problema de um POVO ser contra a ditadura opressora? Qual o problema de um POVO querer ser o autor de uma nova constituinte?


“E por fim, desafio aos antigos resistentes a mostrar onde que O MAIOR, O MELHOR...” é uma linguagem de resistentes ou de humanistas. Se aparecer de fato um revolucionário que me explique isso e me faça aceitar isso, serei a primeira a jogar a toalha e segurar a bandeira "revolucionaria" que vi nos artigos "explicativos" sobre a AI e os "novos ideais revolucionários"

E Porque JUNTOS SOMOS FORTES e a base da pirâmide (POVO) não deve segurar o TOPO dela ( a elite opressora), seguirei nessa linguagem simplista dirigida a meus pares, o POVO. Pois para mim , dentro do que aprendi na convivência diária com revolucionários, humanistas, esse é o verdadeiro ideal da luta. E dessa forma simplista, não tão "jovem" quanto tentam me classificar antigos "revolucionários" e alguns antigos pares de ditadores , vou falando ao estilo Paulo Freire (pratica e/ou exemplos) dos ideais de Marx


Forte abraço

Fernanda Tardin


OS: Esqueci de colocar que não sou contra as ONGs, pelo contrario, sou contra o uso indevido para fins escusos feitos delas. Tanto que participei da fundação de uma federação do 3 setor, a primeira no Brasil, visando moralizar o 3 setor. Pouco fiz, como presidente dessa federação, mas fizemos sim , relatórios e combates a “projetos” que visavam lavar dinheiro, superfaturar recursos públicos, beneficiar empresas como a Aracruz Celulose. Defendemos sindicatos, movimentos sociais, lideranças comunitárias. E vi ( agora sim , uma colocação pessoal) a dificuldade de ONGs serias recrutarem recursos para desenvolver projetos. Infelizmente , muitas são as ONGs serias, mas poucas conseguem sobreviver ou implementar um projeto, justamente por causa da falta de parceiros ( gestores públicos) e ou aliados ( empresas), quase sempre contrários as propostas de inclusao dos projetos sociais dessas mesmas.

-------------------------------------------------------------------------------------

Prezado Lungarzo

Como você bem ressaltou em seu arrazoado temos uma rede enorme para administrar e BATALHAR por dias melhores para o nosso Brasil e o mundo em geral.

Não tenho tempo para batalhas singulares. Nosso negócio é MASSIFICAR informação de qualidade em contraposição à mídia brasileira em particular e ocidental em geral.


Normalmente não faço isso, mas para economia de tempo e por ter assuntos MUITO mais importantes que esta pequena discussão, vou responder este seu artigo com ressalvas DENTRO do mesmo. Inclusive peço sinceras DESCULPAS por esse detalhe. Nossa ressalvas estarão em vermelho.

Abraço, Castor




O Jornalista Lungaretti, Honduras, Anistia Internacional e a CIA

Carlos Alberto Lungarzo

Membro de Anistia Internacional

Como militante de Direitos Humanos, no costumo em intervir em polêmicas políticas, mas neste caso não estou fazendo uma exceção. Na atual discussão entre o jornalista Celso Lungaretti e os membros de uma grande rede social, meu objetivo é apresentar uma opinião sobre a mesma e não participar nela.

Apesar de corresponder- me com Lungaretti desde há um ano, temos feito uma amizade muito forte, e acredito conhecer-lo bem. Surpreendeu- me que alguém forjado na luta armada, e tendo sido vítima da brutalidade do sistema, sustente uma posição política e humanitária tão saudável. Ele não parece um saudoso dos anos de chumbo e, com certeza, não trocou ideais profundos por uma posição confortável na nova burocracia populista. Sua opção por procurar confluência entre socialismo, revolução e Direitos Humanos, comum em alguns países da Europa, é difícil de encontrar na esquerda latino-americana. (
Este mérito não é apenas do Celso, é também de inúmeros companheiros de batalha. Eu, inclusive. NUNCA solicitei quaisquer ANISTIAS ou mesmo reivindiquei quaisquer cargos naquilo que você chama de “burocracia populista”, diga-se de passagem, até com justa razão
)

Embora tratados pelos revolucionários nacionalistas e terceiro-mundistas de “frescura burguesa”, os DH estão no cerne da verdadeira teoria marxista, antes de ser transformada numa espécie de “código penal” por Stalin e Mao. Eles se encontram na Crítica à Filosofia do Direito, na Sagrada Família, na Ideologia Alemã, mas também em decisões práticas, como os parabéns de Marx e Engels à Abraham Lincoln, louvando sua vitória sobre os racistas do sul. Esse respeito pelos DH foi herdado pelo Espartaquismo, pelo socialismo sueco, pelo solidarismo de Bourgeois; depois, mostrou-se com ilimitada generosidade na luta antifascista, especialmente na Espanha, e apareceu com um rosto cada vez mais humano na Nova Esquerda e no Maio de Paris.(
A rede castorphoto em momento algum se colocou CONTRA políticas pelos DHs. Nós somos contra quaisquer ONGs, sejam elas de DHs ou qualquer outra coisa. ONGs , A QUASE TOTALIDADE DELAS, são armadilhas para surrupiar dinheiros de GOVERNOS e instituições, sejam elas de direito público ou privado. ONGs fazem o MESMO papel que os JESUÍTAS fizeram para portugueses e espanhóis e outros países europeus na conquista das Américas, da Ásia e da África. ONGs, tal&qual essa padrecada pós medieval, são aquilo que em linguagem popular se chama “SANTO-DO-PAU- OCO”)


Em seus blogs de anteontem, Celso apresentou uma matéria singela, rigorosa, sem alarde, como é seu estilo, comentando a declaração de Kerrie Howard (diretora adjunta do Programa da Amnesty International para as Américas) sobre Honduras. Kerrie exige ao novo governo, surgido do golpe de estado que deslocou a Zelaya e colocou a Micheletti, uma apuração profunda e independente dos crimes cometidos contra os DH na gestão anterior, e a individualização e condenação dos responsáveis.(
Notou o BESTEIROL da diretora-adjunta? Ao “exigir” qualquer coisa de um governante ilegítimo ela está “legitimando” o indigitado.. .)


Isto se contrapõe à proposta de Lobo, que pretende “zerar” a situação com uma ampla anistia em que estão compreendidos vítimas e algozes. Lungaretti faz notar que, com algumas diferenças, esta é a política que se aplicou no Brasil, e da que agora todos reclamamos porque garante impunidade aos criminosos. (
No mesmo instante em que você se contrapõe a uma proposta ILEGAL, FEITA POR UM PSEUDO-GOVERNANTE que não é reconhecido pela ONU, nem pelo Brasil, nem pela quase totalidade dos países do mundo, você está REFERENDANDO uma ILEGALIDADE. A AI está RECONHECENTO o DIREITO desse pseudo governante ser representante de algo que ele NÃO É
)

Com sua habitual equanimidade, Celso ponderou alguns aspectos e considerou que a exigência de Anistia era justa. Pedir o julgamento dos torturadores, executores de brutalidade policial, homicídio e estupro, é atuar em direção a uma comissão de verdade e justiça e contra a impunidade. Aliás, não é isso o que, de maneira massiva e unanime, todos os membros das comunidades de esquerda do Brasil, tenham sido ou não vítimas diretas dos militares, está reclamando? (
É aí que mora a ingenuidade do Celso... NÃO é isso que “todos os membros da comunidade de esquerda do Brasil... está reclamando”. Essa comunidade está reclamando que um GOVERNO LEGÍTIMO, eleito em eleições limpas INVESTIGUE, APURE e submeta a julgamento os carrascos CIVIS OU MILICANALHAS QUE TENHAM COMETIDO crimes contra a humanidade durante a ditadura MILITAR brasileira. PERCEBEU A ENORME DIFERENÇA? A esquerda brasileira NÃO está referendando um regime ilegal, portanto ilegítimo do pós-64. Ela, ao contrário, está declarando a ILEGALIDADE e pedindo apuração dos crimes mencionados
) .

Para minha surpresa, uma rede social enorme, que transmite comunicados muito interessantes, e que defende idéias revolucionárias, não apenas criticou a posição de Lungaretti, mas qualificou o jornalista de ingênuo e simplista, levando seus sarcasmos ao limite do deboche (chamar alguém de ingênuo não é sarcasmo nenhum e muito menos deboche). Até mencionou a sugestão de um cibernauta que insinuava que Celso possuía interesses econômicos com as ONGs. Aqui, o autor do libelo declarou que não acreditava nisso. (E
não acreditamos MESMO. Temos certeza que o Celso foi apanhado no chamado CONTRA-PÉ
)

O cerne da disputa era Anistia Internacional, à qual o coordenador da rede e alguns participantes acusaram de ser um covil de agentes do imperialismo, membros da CIA, mercenários pendurados de ONGS, sinistros burgueses que queremos dar o “dito pelo não dito” (ou o “não dito pelo dito”, não sei bem qual foi o chavão). (
Este parágrafo vamos classificá-lo simplesmente como MENTIRA, e mentira GROSSEIRA. Consideramos que a AI compõem-se de alguns ESPERTALHÒES, alguns MANIPULADORES, uma grande maioria de INOCENTES ÚTEIS. Não são “covil”de coisa alguma e muito menos “sinistros” outras coisas; e o “dito pelo não dito”mencionado pela Nanda referiu-se apenas ao CASO HONDURAS como bem explicita o texto dela
)

Usando uma virtude que admiro (mas não invejo), que é a paciência extrema ainda com as posições mais aberrantes, Celso decidiu abrir um debate com os responsáveis dessa rede. Este debate ganhou em apenas três e-mails o mais alto nível da mais absoluta baixaria. (
Isso também é MENTIRA. Não houve baixaria alguma; o que houve foi apenas uma troca de e-mails mais dura, sendo que o Celso achou que eu não os repassaria, mas os QUATRO - não três – foram repassados na ÍNTEGRA para TODA a rede, inclusive para o EXTERIOR
.)

Acusou-se a Anistia Internacional de servir os interesses sionistas, numa confusão entre sionismo e terrorismo de estado israelense. (
Não faço confusão entre terrorismo de estado e sionismo. Mas o terrorismo de Estado praticado por Israel é promovido pelos SIONISTAS, ora no poder e referendados pelos ELEITORES de Israel
.) Mas, mesmo que se tome sionismo em seu sentido mais negativo, de nada serviu que Lungaretti mostrasse vários documentos de AI onde critica de maneira fundamentada e duríssima os diversos genocídios perpetrados por Israel contra os palestinos. Também mostrou outros tantos artigos com críticas recentes à fraca política de Obama, e sua posição medrosa face aos DH. (
Em momento algum criticamos os DOCUMENTOS gerados pelos INOCENTES ÚTEIS da AI para servir aos propósitos dos ESPERTALHÕES e MANIPULADORES. Elogiamos efusivamente os RELATÓRIOS, mas CRITICAMOS duramente como e por quais meios esses MAGNÍFICOS relatórios foram disponibilizados ao MUNDO. Aliás, diga-se de passagem que nossa opinião sobre a AI e ONGs em geral é compartilhada por inúmeros intelectuais, embora não estejamos nessa classificação, como, p. ex, Ignácio de Ramonet, Thierry Meissan e Raul Zibéchi. De que adiantam críticas se quase ninguém as lê? Cadê a COMPRA de espaço de MÍDIA? O Murdoch é um dos contribuintes da AI. Se ele cedesse ESPAÇO nos seus INÚMEROS jornais e revistas para publicação desses RELATÓRIOS maravilhosos haveria uma pequena chance de vermos algum vestígio de seriedade e não apenas MANIPULADORES E ESPERTALHÕES na AI.)


No debate entrou outra pessoa, afirmando que pedir uma investigação a um governador ilegítimo significa reconhecê-lo como interlocutor e lhe atribuir, então, legitimidade. É verdade que autoridades impostas pela força não podem ser tratadas, em todos os assuntos, como se fossem depositários de representatividade política, porém, a proibição de interagir com governos e lideranças que não sejam legítimas, nos levará ao mutismo. Quem faz uma lista das que são legítimas? (
Esse parágrafo é um SOFISMA de ÚLTIMA categoria. Aqui na nossa rede consideramos LEGÍTIMA a representatividade de um governante em eleições limpas e claras dentro de um regime constitucional referendado pelo povo.
)

Além disso, devemos deduzir que os que exigiram de Geisel e Figueiredo uma apuração dos crimes dos anteriores militares, o consideravam um governante legítimo? E será que valeria depois pedir a apuração desses fatos a um “legítimo” como Sarney, capacho do militares e tão macabro como eles? (
Só os IDIOTAS exigiram de Geisel e Figueiredo, ditadores MILICANALHAS de plantão, apuração de quaisquer crimes... Aliás a própria existência de uma “oposição” consentida (MDB) prolongou ainda mais a “vida”da ditadura milicanalha brasileira. Sarney é um OPORTUNISTA. Tão oportunista como uma ONG...
)

Além disso, como podemos entender o estreitamento de amizade com regimes brutais, governados por teólogos, que matam mulheres por apedrejamento, condenam cartunistas, treinam crianças para ser bombas infantis? Aliás, por que as eleições se Irão foram menos falsas que as de Honduras, quando quase 60% dos cidadãos as repudiaram? Será que alguns futuros e nada certos milhões de barris de petróleo justificam a cumplicidade com aqueles genocidas? Ou devemos acreditar que a resistência iraniana (que foi vista nas ruas há poucos meses e teve centenas de vítimas) é toda pró-sionista? (
Esta opinião sobre o Irã é sua mesmo ou é “deduzida” de suas leituras da MÍDIA OCIDENTAL? Ou talvez de algum RELATÓRIO da AI? Você tem recebido inúmeras postagens da nossa rede sobre a situação no Irã. Esses informes foram fornecidos, pela Al Jazeera, ou pelo Asia Times e outras publicações internáuticas devidamente traduzidas. Nós preferimos acreditar nesses artigos por serem mais críveis que os da BBC ou da CNN p. ex.
)

Devemos questionar, sem dúvida, a anistia brasileira de 1979 e pedir a sua reversão; mas, teria sido justo repelir a Anistia, e deixar que as pessoas que estavam presas continuassem apodrecendo na cadeia? Seria incorreto exigir de Sebastián Piñera que continue com as tarefas de Verdade e Justiça no Chile, e “apertar” Uribe para que apure os casos de paramilitares e parapoliciais? Afinal, eles são tão de direita como Lobo e possuem ainda muito maior poder que ele! Como explicam que nosso presidente, que esta rede apóia, chame “seu amigo” a Álvaro Uribe, e se condene a ONGS que se aproximam de Lobo, não para oferecer-lhe amizade, mas cobrar-lhe os crimes de seus predecessores? O que torna a direita hondurenha tão terrivelmente pior que a colombiana? (
Simples, Piñera e o Uribe foram ELEITOS em eleições LEGÍTIMAS, diferentemente do Calderón e BUSH que foram eleitos em eleições FRAUDULENTAS, p. ex.. Lobo também é uma FRAUDE.)


Lobo cometeu uma fraude institucional, usando um sistema eleitoral cujo principal candidato estava proscrito, porém Geisel, Figueiredo, e outros, foram simplesmente ditadores por força. Entendo que seria uma ingenuidade pedir que Pinochet ou Videla abrissem uma investigação sobre seus próprios crimes, porque isso exigiria condenar-se a si mesmos e a todos seus colaboradores. Mas, por que supomos a priori que Lobo está comprometido com os crimes do governo golpista quando ele nem mesmo era conhecido antes das eleições? (
Esse parágrafo é simplesmente ridículo... Além de descabido.
)

Como se faz, então, para aliviar a condição dos Direitos Humanos? É a política de “Tudo ou Nada” e “Quanto Pior Melhor” dos Tupamaros, dos Montoneros, do ERP da Argentina e do MIR do Chile? Devemos entrar com nossas tropas no coração das prisões hondurenhas para que o sistema tenha mais mortos e possamos nos gabarmos de sermos vítimas do inimigo? (
Os Tupamaros, o Sendero Luminoso, o MIR , os Motoneros, a ALN e outros movimentos de resistência na AL são HERÓICOS... Eles foram os VERDADEIROS lutadores pelos direitos humanos. Devemos nossa manca E FRÁGIL democracia a ELES, jamais a alguma ONG e muito menos à ação da AI
.)

A autora das críticas afirma também, que exigir de Lobo uma investigação sobre os crimes dos DH, significa desprezar o valor da resistência hondurenha. Esta visão do problema nos faz regredir a um modelo de luta que parecia superado. Com efeito, existe uma chance de que Lobo consiga parar, por meio de um julgamento, a continuidade da repressão. De fato, isso aconteceu em alguns países como Uruguai, embora não seja muito simples. Se considerarmos Lobo apenas um usurpador cujas ações carecem de valor (mesmo para punir torturadores) , a conseqüência será que os repressores terão liberdade absoluta, pois não há outra força equivalente à do governo para coagir os membros do exército e da polícia. (
NENHUM modelo de luta está superado. Quem decide pelo modelo de luta é o POVO atingido. O que devemos fazer, como libertários, é APOIAR a ESCOLHA daquele povo. Será que você esqueceu o quanto apoiamos o Vietnã? Ou os TALIBÃS? Ou a RESISTÊNCIA PALESTINA? Ou a IRAQUIANA? Aliás, cansei de assistir palestras da AI em SP sobre a crueldade dos ... VIETCONGS. Não é notável
?)

Então, reconhecer a Resistência Hondurenha como a única força política, implica atribuir-lhe toda a responsabilidade de lutar, e como essa resistência é notoriamente fraca (não é o Vietcong, nem Hammas, nem nada parecido), a continuidade da luta multiplicará as vítimas. Colocando em pratos limpos: haverá mais mortos e torturas, mais catástrofes humanitárias. .. Por que será que procuramos isso? É um retorno à política de entregar mais mortos para ganhar mais admiração do povo (como dizia na Argentina a guerrilha dos Montoneros)? (
A RESISTÊNCIA HONDURENHA é, hoje, a ÚNICA FORÇA POLÍTICA reconhecida internacionalmente naquele país. Inclusive pelo Brasil. Cabe a eles o modo de lidar ou promover essa resistência. Só a luta ensina
.)

Não apenas as ONGs de DH, mas quase ninguém acredita, pelo menos em Ocidente, que estimular o martírio de resistentes em condições assimétricas de luta, aumente as possibilidades de vitória. O que se vê no planeta todo, é que grupos mandados a lutar como “mártires” acabam sendo aniquilados. A idéia de que devem morrer todos os militantes populares que sejam necessários para desprestigiar o governo não é apenas repulsiva para a esquerda, mas para qualquer um que valorize a vida humana. Os movimentos, os países, os partidos valem porque estão formados por pessoas. É o contrário do que dizia Kennedy: é a gente que dá valor as nações e não as nações que dão valor as pessoas. (
As ONGs de DHs não podem nem querem, aliás, os ESPERTALHÕES e os MANIPULADORES, fingem que querem preservar alguém do “martírio”. Como já dissemos antes, a escolha da forma de luta é dos POVOS envolvidos. Aprendi isso com Ho-Chi-Min. Aqui no Brasil, veja você, estamos lutando pela INTERNET...)


Voltando à polêmica que é objetivo deste artigo, quero dizer que, sendo que essa discussão mistura sem muita lógica propostas políticas com declarações pessoais, que é necessário referir-se às agressões em ambos os níveis. A segunda principal comentarista diz:

“Quem referenda hoje um governador que manda tropa de choque em represália a manifestações de estudantes? Uai. Você recrimina? Mas os governadores em questão foram líderes estudantis, presos políticos, presidente da UNE e do DCE. De quem falo? De Hartung (ES) e de José Serra (SP)... ‘Ta vendo? O fato de ser ex, não os faz hoje companheiros/ camaradas”

Como a mensagem está no contexto da crítica a Lungaretti, não posso deixar de pensar que a “sutileza” vai dirigida a ele. A mensagem diz que alguns repressores atuais já foram os militantes, perseguidos ou presos políticos de ontem. Deve deduzir-se disso, então, que Celso, a quem eles não reconhecem como um revolucionário se utiliza sua condição de ex-perseguido para tirar vantagens da Anistia Internacional e “outras” dependências da CIA. Parece então que o enorme valor que significa a obra educativa e comunicacional de Celso é aniquilado pela “ingenuidade” de elogiar uma organização que se ocupa de algo tão lucrativo como os DH. (A
nossa rede e o Blog da Nanda repassaram e repassarão, tenho certeza, os artigos do Celso, mas não podemos deixar de alertá-lo da armadilha na qual está envolvido. Queremos o mesmo Celso combativo e DISCORDANTE de muitas das nossas ideias, mas nunca um eunuco ideológico cooptado como INOCENTE ÚTIL por quaisquer ONGs. Notadamente por uma ONG CLARAMENTE envolvida com AIPAC, NSA, CIA e outras entidades NAZI-SIONISTAS.
)

Como disse uma vez Theodor Adorno, atrás do desprezo pelos DH que mostram os movimentos terceiro-mundistas ou nacionalistas “de esquerda”, há um desejo específico de poder. Com suas críticas contra os abusos cometidos por agentes do estado, e contra os pactos com países que estão na liderança dessas violações (como China e Irã), as ONGs de DH se recusam a unir-se ao apóio cego aos governos populistas. É curioso, então, que os críticos das ONGs de DH, que as consideram estrangeiras, individualistas e contra-revolucioná rias apóiem governos que nada têm de revolucionários. Entendo que os partidários da Revolução Cubana possam interpretar que as objeções das ONGs de DH visam prejudicar o sistema (embora nem sempre seja verdade, e depende muito de qual ONG se fala). Ora, como se explica que os que acham contra-revolucioná ria a luta de AI e outras organizações, encontrem revolucionários os governos do Brasil, da Argentina, do Uruguai e do Paraguai? (
Nossa rede é profunda e CONSISTENTEMENTE defensora dos DHs e da AUTODETERMINAÇÃO dos povos. Mas não somos uma ONG. Não pedimos grana para ninguém. Não somos submetidos a quaisquer ESPERTALHÕES ou MANIPULADORES. Lembre-se sempre: os DHs em Cuba, já estive lá uns pares de vezes, são muito mais respeitados que, p. ex. nos EUA. O caso MEDICARE, gravíssimo, que atinge mais de 50 milhões de pessoas só nos EUA é assunto resolvido em Cuba. Essas bobagens de revolucionário e contra-revolucioná rio são isso mesmo: BOBAGENS. Só existe a LUTA diária e o trabalho para transformar o mundo e promover a melhoria de INFORMAÇÃO e CONHECIMENTO de um povo. O método de manter ou modificar suas instituições, seja por eleições, seja por guerrilha, seja por luta ideológica, é problema e decisão de cada povo
.)

Aliás, acusações de barricada rotulando alguém de agente da CIA, podem fazer sentido no seio de uma luta politiqueira pelo poder. Mas, não se entende essa atitude em pessoas que dizem lutar por um mundo melhor, e se identificam teoricamente com o socialismo. Mesmo se essas afirmações fossem verdadeiras, deveriam ser justificadas com um mínimo de provas. (
Não ROTULAMOS nomeadamente ninguém de “agente da CIA”, ou qualquer coisa como “politiqueira”ou mesmo “luta pelo poder”. Ora, você pede provas daquilo que é de conhecimento PÚBLICO... As ligações da AI com as organizações mencionadas são PÚBLICAS. E em NENHUM momento foram negadas...)


A crença de que tudo é um cambalacho, e que o mundo está cheio de espertinhos e aproveitadores (algo que parece fluir dos comentários da rede) é frequente na classe média e alta. (é claro que o mundo está cheio de ESPERTINHOS E APROVEITADORES; mas também está cheio de INOCENTES ÚTEIS que servem de bucha-de-canhã o para esses mesmos “espertinhos e aproveitadores”). Mas, esta não se propõe melhorar o mundo: apenas quer aproveitar uma fatia dessa fraude geral. São os que dizem: “É tudo mentira; a gente precisa viver, porque ninguém faz nada por você”, ou usam um ditado que foi famoso na Argentina durante a ditadura: “Deixa rolar, que se virem, não é coisa da gente”, se referindo aos quase 90 desaparecidos por dia. (
Essa foi uma guerra travada na AL e NÃO foi vencida até hoje. Estamos em plena batalha e sabemos que esta luta é cotidiana, ininterrupta e que JAMAIS terá fim. Aqui reafirmamos: as ONGs, em sua imensa maioria, são FRAUDES, e quanto maior a ONG maior a FRAUDE
.)

Desde meus começos na militância em DH escutei críticas semelhantes a estas, embora numa linguagem menos chula e com menos poluição conceitual. (
Não tente desqualificar nossa liguagem. Em momento algum usamos linguagem CHULA
). Nos anos 70, os Estados Unidos diziam que éramos marxistas, anarquistas, agentes cubanos e soviéticos, um leitmotiv que, apesar do anacronismo, foi repetido em 2005, quando nosso relatório contra as torturas aplicadas no Iraque enfureceu a G. W. Bush que quis fazer de conta que Anistia não existia. Não pôde! Até seus colaboradores mais fascistas conheciam todo o relatório, e na Casa Branca não se falava de outra coisa. (
As torturas, prisões ilegais, e crimes contra civis iraquianos foram denunciadas em PRIMEIRA MÃO pela Al-Jazeera e as denúncias POSTERIORES da AI e outras ONGs ocidentais de DHs foram disponibilizadas ANOS depois. Quando mais de I.OOO.OOO milhão de civis já tinham sido assassinados pela intervenção dos EUA e seus asseclas ocidentais no Iraque. A AI e as demais ONGs de DHs só pegaram “carona” nos inúmeros relatos já existentes.)


Afinal, deixou a seu portavoz “refutar” nossas denúncias e saiu da sala rasmungando: “Esta gente não ama América”. Quando existia a URSS, nossa fama de agentes da CIA estava em seu apogeu, mas a verdade é que nossos maiores críticos não eram os russos. Antes estavam os chineses, as ditaduras populistas e teocráticas de África e Ásia, os caudilhos e líderes demagógicos.

Finalmente, há um fato claro, que Lungaretti expõe com uma lucidez pouco frequente: o triunfo do humanismo é o triunfo da esquerda, e esse triunfo não acontecerá se não tivermos em conta a enorme tradição humanista de ocidente, que não fabricou apenas capitães de mato, bandeirantes e assassinos colonialistas.

Se quisermos voltar a ocupar algum posto na melhora da humanidade, devemos entender o que Celso lucidamente menciona: os povos desenvolvidos não aceitarão uma esquerda que os prive de sua liberdade, que os massifique, que os submeta a um tirano. A solidariedade internacional pode levar a sacrifício da vida pelo bem-estar do povo, mas não para aumentar o prestígio de caudilhos e ditadores. (
Estas opiniões do Celso, embora discordemos delas, são perfeitamente defensáveis e já distribuímos um sem número de conceitos embutidos em artigos do Celso e de outros dos quais discordamos.
)

Finalmente: ninguém é perfeito e toda instituição pode ser corrompida, mas isso tem sido infreqüente na Anistia. Os casos em que a corrupção ganhou (por vários anos) a batalha na Anistia Internacional foram poucos: aliás, o único exemplo que conheço é o do Brasil. (
Não acreditamos que a AI seja uma “instituição corrompida”. Ela, como todas as outras são uma espécie de MDB das organizações de informação e repressão dos países hegemônicos. Elas são a válvula de segurança. Aquilo que dá LEGITIMIDADE à OPRESSÃO e que amortece as consciências e a capacidade de luta daqueles que verdadeiramente lutam pela liberdade e auto-determinação dos povos.
)

Com efeito: fundada em 1986 por um autêntico lutador dos Direitos Humanos, o jornalista R. Konder, AI do Brasil foi astuciosamente “ocupada” por um grupo de empresários que se vincularam ao mercado e a trataram como uma ONG comum, trocando patrocínio por propaganda e lucro. Para este caso, se aplica perfeitamente a crítica do coordenador da rede da qual falamos. Entre outras, a indústria de brinquedos, cuja imagem é fácil de tornar simpática pelo caráter nobre das crianças foi uma isca útil. O chefe da Associação de Fabricantes e o Presidente da Anistia desenvolveram parcerias fantasiadas de defesa dos DH das crianças, que, na prática, eram campanhas publicitárias apoiadas no prestígio de AI.

Ora, logo que Londres tomou conhecimento deste e outros golpes, dissolveu, de maneira sumaríssima, e pela primeira vez em sua história, uma seção nacional. Por isso eu sou agora um membro Internacional, sem lar fixo, e me submeto à seção norte-americana.

(Mas este foi UM processo longo, que demorou 15 anos em desenvolver- se. Estou preparando há vários meses um detalhado artigo sobre este assunto). (Aguardaremos seu artigo caso nos honre com a remessa)

Nenhum comentário: