quinta-feira, 8 de outubro de 2009

AUTORITARISMO, CORRUPÇÃO E DEBOCHE MARCAM ERA BERLUSCONI

O primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi não está mais a salvo de processos judiciais até 2013, quando finda seu desastroso mandato: por 9 votos contra 6, o Tribunal Constitucional, instância suprema do Judiciário do país, revogou nesta quarta-feira a lei de junho/2008 que lhe garantia imunidade.

O motivo é a violação do princípio básico da igualdade de todos perante a lei: segundo os juízes, uma mudança de tal envergadura na Constituição deveria ter sido aprovada por uma maioria qualificada de dois terços do Congresso, não por maioria simples.

Nos processos que agora serão reabertos, Berlusconi é acusado de fraude fiscal e de adulteração do livro-caixa ao ceder os direitos de empresas "offshore" de TV ao seu próprio conglomerado de mídia (declarou preços inflados); e de haver oferecido dinheiro a senadores para aderirem à sua coalizão em 2007.

Há dúvidas sobre se ele responderá também por haver subornado o advogado britânico David Mills para este dar sumiço em documentos financeiros comprometedores.

A semana está sendo péssima para o novo Duce: começou com a citação de Berlusconi como corresponsável noutro caso de corrupção, em sentença do tribunal administrativo de Milão que condenou sua empresa Fininvest a indenizar uma concorrente. Embora da responsabilidade penal ele tenha se safado, o dano moral à sua imagem (já em frangalhos...) é óbvio.

A reação histérica de Berlusconi, nos dois casos, foi a de colocar em dúvida a isenção do Judiciário e da imprensa (embora seja um magnata da dita cuja). Ontem, foi assim que ele exerceu seu direito de espernear:
“Nós temos uma minoria organizada de magistrados vermelhos, que usam o judiciário para voos políticos. Nós temos 72% da imprensa de esquerda”.
E desafiou, com a arrogância habitual:
"Vamos governar por cinco anos, com ou sem essa lei".
Pretenderá fazê-lo de dentro de uma cela?

Segundo notícia da Folha de S. Paulo, a opinião de juízes e juristas sobre Berlusconi realmente é péssima, mas por outros motivos: consideram que o governo atual é antidemocrático e está dividindo o país, principalmente ao perseguir de forma atrabiliária e desumana os imigrantes irregulares.

E, se seus métodos políticos lembram os de Mussolini, na esfera pessoal ele é frequentemente comparado a Calígula, em razão das orgias e baixarias expostas ad nauseam nos últimos meses.

Até quando a Itália consentirá em ser uma piada para o resto do mundo, com seu premiê que virou sinônimo de autoritarismo, corrupção e deboche?

Nenhum comentário: